Anvisa

Anvisa

Anvisa registra medicamento genérico inédito para leucemias e mielodisplasias

Autorização

Aprovação do medicamento deve reduzir os custos do tratamento dessas doenças

por Portal BrasilPublicado: 01/11/2016 15h53Última modificação: 01/11/2016 16h10

Divulgação/Agência Brasil
Apesar de ter a mesma origem de fabricação, o produto tem que ir para o mercado com o desconto exigido por lei

Itens relacionados

Anvisa define nova composição da vacina contra gripe para 2017

Anvisa proíbe comércio de supostos remédios para problemas nas articulações

Anvisa suspende venda de três produtos cosméticos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, na última segunda-feira (31), o registro do medicamento genérico da azacitidina. O remédio é utilizado no tratamento da síndrome mielodisplásica e leucemia.

A aprovação do medicamento deve reduzir os custos do tratamento dessas doenças. De acordo com a lei dos genéricos, esses remédios devem entrar no mercado com um valor pelo menos 35% menor que o valor do produto de referência.

Até o momento, não havia genéricos da azacitidina, que está no mercado com o nome comercial Vidaza, fabricado pela United Medical Ltda. A empresa é a mesma que recebeu agora o registro do genérico inédito.

Apesar de ter a mesma origem de fabricação, o produto tem de ir para o mercado com o desconto exigido por lei.

Indicação da azacitidina

A síndrome mielodisplásica envolve um grupo de doenças que atacam a produção de células sanguíneas pela medula óssea e que pode evoluir para formação de um câncer. A leucemia é o câncer das células brancas do sangue (leucócitos).

A azacitidina é indicada para o tratamento de pacientes com Síndrome Mielodisplásica dos subtipos anemia refratária com excesso de blastos (AREB), de acordo com a classificação FAB (utilizada para classificar as leucemias).

O medicamento tem, ainda, indicação para o tratamento da leucemia mielóide aguda com 20 – 30% de blastos na medula óssea com displasia multilinhagem, de acordo com a classificação OMS, e também para tratar a leucemia mielomonocítica crônica (classificação FAB modificada).

Fonte: Portal Brasil, com informações da Anvisa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative CommonsCC BY ND 3.0 Brasil 

Sobre oscipiinasp